Quarta, 19 DE setembro DE 2018 23:50:25

TSE tira Lula, mais não tira seu favoritismo nas eleições 2018

Publicidade

Publicado em:

1 de
set

Autor:

Globo.com

Não adianta se falar que tudo esta bem gora...porque não esta. Nada vai apagar o fato de que Luiz Inácio Lula da Silva, preso condenado por corrupção desde abril e agora proibido de concorrer pela maioria do TSE com base na Lei da Ficha Limpa, é o líder incontestável das intenções de voto para presidente da República —e demonstrava, até agora, tendência de alta. Tanto é notícia quanto é um fato político incômodo e com consequências. Como se diz no Ceará, durma-se com uma zoada dessas.


É um barulho potente. O TSE que impediu o petista, seguindo a lei que veta os condenados à corrupção em um tribunal superior de concorrer, é o mesmo TSE que decidiu poupar o mandato de Michel Temer em nome da estabilidade política no ano passado. Nada livra o tribunal de lidar com o ônus político da decisão de tirar o favorito da corrida. Não custa repetir o que muitos já apontaram, inclusive o colunista Celso Rocha de Barros, na Folha de segunda-feira. Esse veto, mesmo que previsto em lei, brilha por seu caráter singular no panorama atual e tem um potencial corrosivo num sistema já em franca crise de legitimidade. Embora estejam em circunstâncias legais diferentes, o fato é que, no plano geral das coisas, o resultado é que o tucano Aécio Neves, gravado na delação da JBS, será candidato. Até Dilma Rousseff, derrubada pelo impeachment, será candidata, mas Lula não.


Quem quer que chegue ao Planalto, sabe que terá essa questão, que o PT tem explorado muito bem, inclusive no exterior, de partida. Vai ser uma história permanente da corrida eleitoral. Até o momento, saltam as cifras de quem não sabe em quem votar sem Lula como candidato, por exemplo. No Nordeste, os índices são ainda mais expressivos. Mesmo que a jogada de Lula e do PT funcione —e o partido troque o cabeça de chapa por Fernando Haddad e o ex-prefeito chegue ao segundo turno e acabe eleito—, isso não resultará em menor turbulência. É como o também candidato Ciro Gomes disse faz pouco tempo: se eleito, Haddad será também um presidente apequenado pelas circunstâncias e com desafios ainda maiores do que o seus concorrentes pela frente.


O maior deles é o permanente clima acirrado no país. Se o lulismo é a maior força política do país, o anti-petismo, uma parcela dele de viés autoritário, é a segunda maior. Boa parte do país, incluindo investidores que se expressam e tentam pressionar na Bolsa, se mostra abertamente hostil à possibilidade democrática de um petista de volta ao poder. É um final de temporada que simplesmente não parecem dispostos a aceitar. Nesse cenário hipotético, juntemos acampamentos antipetistas permanentes na av. Paulista e piquetes do MBL. Não parece bom.


Aliás, para onde quer que se olhe não parece bom. Aconteça o que acontecer, haverá a consolidação de uma ultradireita no país, que terá usado, na campanha, todos os truques à mão para crescer. Jair Bolsonaro é o candidato há mais tempo fazendo campanha. Ainda não sabemos como sua base reagirá ao bombardeio a que será submetido pelos adversários, que vão expor suas imposturas na TV a partir deste sábado. Mas Bolsonaro, em meio à sua cruzada anticivilizatória, já segue, desde já, um roteiro para quando, e se, perder: solapa sempre que pode a credibilidade do sistema que usa urna eletrônica. Até Paulo Guedes, seu principal assessor econômico que, em tese, é vendido como sua reserva de inteligência e serenidade, joga na mesma aposta. "Com o voto impresso Lula não passa de 25%. Essa é minha opinião. É um direito meu [achar isso]. É uma convicção minha", disse Guedes ao EL PAIS nesta semana. Trata-se de uma tentativa bastante séria de jogar o tabuleiro pelos ares, outro agravante para a crise de legitimidade do sistema. Até 2014, quando Aécio Neves resolveu falar em fraude "só para encher o saco", havia um certo consenso em torno do sistema.


A linha escolhida por Bolsonaro assusta e tem precedentes. Esse tipo de questionamento foi usado por Donald Trump durante toda a campanha nos EUA. Trump repetiu algo do gênero até no dia da votação — só não aplicou o número inteiro porque ganhou. Um cenário hipotético de seguidores de um Bolsonaro derrotado pregando desconhecimento do resultado por aí não é tão hipotético assim. (conteúdo: El Pais)



www.radarurgente.com